domingo, 22 de abril de 2018

Matilda.

esqueci temporais passageiros nas esquinas bordadas das putas do centro
eu vi deus pendurado em letreiros luminosos
tomei porres com garotas tristes
e viados chiques
chorei no carnaval com o cu cheio de ecstasy
trepei sem camisinha
atropelei um cão
fui vadio sob o sol do meio dia
fumando erva e desbicando pipas
blefei com sonhos e seios
com doses de veneno e vendavais
me afoguei em copos de cana
entre mandingas e besteiras contemplei bundas e sambas no escuro
com suor, sangue e cicatrizes pichei meu nome nos muros
lambi xoxotas com cheiro de flor
no sofá da sala
me perdi em caminhos obscuros
dos vícios
dos crimes
mas tive que me suicidar em setembro
foi meu jeito de prolongar a vida
pra festa não acabar

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Brincos e Pulseiras.

entre os milagres mais caros que deus possa nos vender
o céu azul e as noites escuras ainda são de graça
pra nos ensinar a amar
com o flerte das morenas
pra sentir o coração pulsar mais forte dentro do peito
um banquete de cores e sabores
pra nos machucar mais devagar
num ritmo lento
cadente
da cerveja e da paixão
dos meus sentimentos de mendigo
sou vulgar, indigno e lindo
brilhante esquecido na madrugada
a vida é doce e blefa
como uma vadia bêbada no fim da festa

terça-feira, 10 de abril de 2018

Nego, O Cachorro da Minha Irmã.

tenho pavor desses dias normais
sem escândalos, lágrimas, apocalipses
ou suicídios
essas tardes mornas me causam tédio
preciso do veneno adulterado das garrafas de cachaça
das mandingas improvisadas
do desespero do sol
domingos de baile ou de futebol
tão chato esse horário de almoço
de jornal e esporte
sem a vingança de amor ou de morte
sem a alegria das drogas modernas
do transe psicodélico
balançando nas saias das morenas
essas noites monótonas fodem meus sonhos mais bonitos
como a rotina das relações monogâmicas
o mesmo sexo de todos os dias
quero o cheiro cego do perfume das madrugadas
intensas e emocionantes
como uma garota down
sempre prestes a transbordar
em meu peito há muita sombra e pouca luz
não me satisfaço com novelas e metades
desculpe pai
mas seu filho morto ainda esta no quarto
com o coração cheio de fogos de artifício e MD
bem longe do paraíso

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Besteiras, Crianças e Partidas de Futebol.

todo dia renasço todo torto e fodido
á mercê dos teus caprichos
pra quem me vê agonizando feito um cão em praça pública
um perro
teu perro
tiro sua fantasia depois da escola
aos poucos estendo meu mundo até você
e a gente ouve Caetano
eu gozo dentro
você faz planos pra amanhã
e me embrulha pra presente
manda mensagens quando ta com insônia
eu te receito maconha e siririca
sobre os contos impossíveis que você acredita
é  tudo mentira
sou só eu brincando com tua imaginação de menina
as vezes você brilha
estrela reluzente com a bunda de fora
só peço que não doa muito quando for a hora de ir embora
nosso afeto nasceu na cama
é outono mas no meu quarto ainda resta um pouco do verão
imagino tudo que você pensa e não me diz
na tentativa de adestrar meu coração
durante umas 3 semanas
ou mais

quinta-feira, 22 de março de 2018

Alto da Boa Vista ou Vila Maria.

depois de tudo seu sexo ainda me convence
independente da música, da droga
ou do dia  da semana
você sempre volta pela porta da cozinha
sorrateira
confeccionando novos apocalipses
extorquindo tudo que tem dentro do meu peito
pregando sua fé por coisas mortas
disseminando mentiras e pecados pelas paredes de meu quarto
piranha
que odeia o verão 
goza sempre na mesma posição
e encara o espelho sem medo do que pode encontrar dentro de seus olhos
fluorescentes de ácido de festas passadas
garota bonita
que nunca me beija na despedida
mas deixa seu cheiro na vista

domingo, 18 de março de 2018

Amora.

é que ontem
pra fingir que eu não tava triste
tomei um porre de coca com uísque
e conheci outra Jhenifer
que transa como depravada
e tem um rabo gigante
pra tentar impressionar escondi meus defeitos de bêbado
e de novo me joguei num abismo
a vida se faz de dor também
de sonhos perdidos
traumas, dívidas e vícios
mas a gente vai disfarçando nossos desesperos
com sexo, drogas ou religiões
o calor infernal que engana
enquanto festejo o verão
de braços dados com um deus pagão
bebendo
fodendo
pois morrer aos poucos requer paciência
e todo domingo ou é samba
ou futebol
ou é rave

quinta-feira, 15 de março de 2018

Tambiu.

não se trata de amor
esse sentimento falido
que perturba corações adolescentes
se trata dos nossos planos de incendiar igrejas
pra depois desaparecermos no reflexo de qualquer espelho
pregados de ecstasy
não te nego fogo
você não reclama da minha boca suja
e desliza seu rabo absurdo pela minha cara
não te engano
exponho meu pau mole e meu lado canalha
te peço um pedaço do céu
mais drinque e outros tragos
você me serve nua com um sorriso emoldurado no rosto
com delicadeza realiza meus últimos desejos
antes de por a corda no meu pescoço